Sociedade

Há denúncias de instrumentalização de crianças pelos colégios

Em contagem decrescente para a manifestação contra os cortes nos contratos de associação do próximo domingo em Lisboa, sobe o tom em volta daquele que é dos temas mais polémicos da governação de António Costa.

Shutterstock

Há muito que os que defendem a política de eliminação de redundâncias entre oferta pública e privados financiados pelo Estado vêm a criticar a utilização de crianças vestidas de amarelo nas manifestações organizadas pelos colégios. Mas agora há quem denuncie uma alegada instrumentalização dos menores.

Ontem, o Jornal de Leiria citava alguns pais que não quiseram ser identificados, mas queixavam-se de pressões sobre os filhos para estarem presentes nas manifestações contra a política do ministro Tiago Brandão Rodrigues.

“A pressão é enorme”, relata uma encarregada de educação de um aluno do 8º ano do Colégio Conciliar de Maria Imaculada (CCMI), em Leiria, citada pelo jornal regional, ao qual garante ter recebido mais de 20 e-mails de mobilização para manifestações contra o Ministério da Educação.

A mesma mãe diz ao Jornal de Leiria que os alunos estão a ser “manipulados” e garante que as cartas enviadas ao primeiro-ministro e ao Presidente da República foram copiadas pelas crianças do quadro e não escritas de forma livre.

Comentador da SIC denuncia pressão no São João de Brito

Agora, também o comentador da SIC Notícias Pedro Marques Lopes denuncia a forma como os menores estão a ser levados pelos responsáveis de algumas escolas privadas a manifestarem-se.

“O que está a acontecer em alguns colégios católicos não é nada bonito”, escreve Pedro Marques Lopes na sua página de Facebook, para denunciar situações como a que diz conhecer no Colégio São João de Brito.

“Sei de situações, por exemplo no Colégio São João de Brito, em que vão psicólogas às aulas incitar os miúdos a ir à manifestação”, relata o comentador que critica esta forma de atuação.

“Que tentem convencer os pais a ir, tudo bem. Mas tentar doutrinar os miúdos ultrapassa tudo”, critica Pedro Marques Lopes.