Politica

Santos Silva: ‘A oposição do PSD é muito firme, coerente e clara'

Para o MNE, para ter crédito para defender a alteração das regras europeias Portugal tem que cumprir o exigido por Bruxelas.

O ministro dos Negócios Estrangeiros não se sente, como Paulo Portas, uma espécie de “Oliveira da Figueira”. Aliás, nem sabe bem quem é. Confessa o seu desconhecimento da cultura da banda desenhada em favor da cultura clássica.

Cita Catão e Cincinnatus e não uma personagem do Tintim. Mas confessa que não defende a personalização da diplomacia económica, que deve estar espalhada pelos ministérios e ser alvo de um trabalho de “formiguinha”.

Está muito contente com a oposição “aguerrida” que tem e com a “coerência” de Passos Coelho. Santos Silva é um mestre da ironia e diz estas coisas sem se desmanchar.

O PS não virou à esquerda, afirma, ao contrário do que dizem alguns dos seus camaradas. E nunca defenderá uma frente do Sul contra o Norte na Europa. “Não temos essa lógica frentista”.

Para tentar mudar as regras “é preciso cumprir”. Saúda o “regresso à normalidade”: Presidente, parlamento e governo em união feliz, paz social, desemprego a descer, défice cumprido.

Leia  a entrevista íntegra na edição impressa do i já nas bancas