Politica

Juncker e Monti entram na campanha de Lisboa

O ex-presidente da Comissão Europeia e o antigo PM italiano que também foi comissário europeu gravaram declarações de apoio ao ex-colega de Bruxelas e candidato à CML.


Corria o ano de 2014 quando Carlos Moedas passou a ocupar a pasta de comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, que lhe foi atribuída pelo então presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

Agora, Moedas é candidato à Câmara Municipal de Lisboa pela coligação PSD/CDS/PPM/MPT/Aliança e o luxemburguês aproveitou a oportunidade para endossar ao seu antigo colega nos corredores da Comissão Europeia votos de que venha o ser o próximo presidente da sua «capital preferida na Europa, porque é a capital europeia mais bonita». 

Num vídeo oficial, e a que o Nascer do SOL teve acesso, o antigo presidente da Comissão Europeia começa com um sonoro «bom dia», em português, seguindo-se uma definição de Carlos Moedas com estima e admiração. 

«O meu amigo Carlos Moedas é candidato à Câmara Municipal de Lisboa, a minha cidade preferida na Europa, porque é a capital europeia mais bonita», começou por elogiar Jean-Claude Juncker, antes de descrever Carlos Moedas como alguém «jovem, inteligente, brilhante e que acumula vários talentos». 

Moedas é, defende Juncker, um homem que «ama e respeita» Lisboa, e, consequentemente, alguém que «escutará» a cidade. A experiência governamental, parlamentar e europeia do candidato à autarquia não ficaram fora do discurso de apoio do antigo presidente da Comissão Europeia.

«É um homem cheio e pleno de ideias, quase sempre inovadoras e modernas. É europeu e patriota português no estrangeiro. Em Bruxelas, defendeu sempre a honra de Portugal», continuou Juncker, intercalando mensagens também de apreço pela capital portuguesa.

«É o homem ideal para ocupar o lugar de Presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Podem confiar nele, o Carlos será um bom autarca», concluiu o antigo presidente da Comissão Europeia, com um sonoro «obrigado» – novamente em português.

Esta não é, no entanto, a primeira vez que Juncker elogia publicamente Moedas. Em fevereiro de 2020, o antigo presidente da Comissão Europeia fez questão de realçar que o comissário europeu português «contribuiu largamente para que esta Comissão [Europeia] fosse diferente, mais política, mais atenta às realidades nacionais».

Mondi sucinto, mas firme

Também Mario Monti, antigo primeiro-ministro italiano e membro de longa data da Comissão Europeia, expressou público apoio ao candidato social-democrata à Câmara de Lisboa. Num discurso mais breve, sem palavras em português, mas com elogios certeiros e generosos, Mario Monti listou as razões que o levam a acreditar que Moedas seria o autarca ideal para a cidade de Lisboa. «Conheço o Carlos Moedas há muitos anos, e sempre admirei a sua mente por ter a habilidade de olhar para o futuro», elogiou, recordando o seu papel na Comissão Europeia.

«Para ser presidente da Câmara de uma das mais importantes capitais europeias, é importante ter esta habilidade de projetar a sua cidade para o futuro», continuou Monti, que recordou que Carlos Moedas é «amplamente conhecido e respeitado, tanto na Europa, como no resto do Mundo», o que deixa o antigo primeiro-ministro italiano «convencido que elevaria a posição e a reputação, não só de Lisboa, mas de todo o país na Europa, e no mundo» caso fosse eleito.