Politica

Jerónimo acusa PS de estar "cada vez mais inclinado para a direita"

Secretário-geral comunista cessante acredita que o PS e os partidos de direita "empolam e encenam" uma oposição entre si quando na verdade tem uma "ação convergente" em aspetos essenciais.

 


Jerónimo de Sousa realizou este sábado o seu último discurso enquanto secretário-geral do PCP e fez questão de ser ser critico em relação aos restantes partidos. 

"Hoje está muito claro qual é o sentido da governação do PS maioritário e quão verdadeira era a palavra do PCP quando afirmava que o PS não queria resolver os problemas nacionais, mas tão só romper com a política de defesa, reposição e conquista de direitos e criar condições para retomar na plenitude a política de direita que sempre teve como sua", começou por dizer na abertura dos trabalhos da Conferênci Nacional do Partido Comunista, em Corroios, no município do Seixal. 

Jerónimo de Sousa considera que a governação socialista "mostra um PS cada vez mais inclinado para a direita", ao fazer opções de política económica e orçamental que conduzirão ao "perigo de uma nova fase de definhamento económico e e degradação social".

"As recentes alterações do quadro político replicar, senão aprofundar a evolução negativa do país que décadas de política de direita impuseram", afirmou, referindo ainda que a maioria absoluta que António Costa alcançou nas eleições legislativas de janeiro só foi alcançada com uma "operação de chantagem e mistificação".

De acordo com o secretário-geral comunista cessante, a alteração no quadro político decorrente das eleições traduziu uma "ampla promoção" das forças reacionárias, sendo que o PS e os partidos de direita "empolam e encenam" uma oposição entre si quando na verdade tem uma "ação convergente" em aspetos essenciais.

 

Os comentários estão desactivados.