Politica

Marcelo faz aviso a Passos

Marcelo Rebelo de Sousa diz que os partidos não podem ficar à espera "de eleições que não chegam" em vez de começar já a fazer os acordos que são necessários para reformar o país

O Presidente da República diz que há espaço para "entendimentos, ao menos parcelares, na Saúde, na Educação, nalguns domínios laborais, na reforma do Estado" e,  "quem sabe se mais longinquamente", na Segurança Social.

O apelo foi feito esta quarta-feira durante uma sessão comemorativa do 25.º aniversário do Conselho Económico e Social (CES), na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, mas ontem Rebelo de Sousa tinha lançado já a ideia de que são necessários "consensos", definindo mesmo a Saúde como a área em que, em seu entender, seria mais fácil a aproximação.

Marcelo Rebelo de Sousa nunca diz que os protagonistas dos entendimentos que defende são PS e PSD, mas é claro que é isso que está nas entrelinhas das suas palavras. Com a esquerda unida em torno de uma solução de Governo, o Presidente apela ao PSD para que tente aproximações ao PS para acordos que permitam a reforma do Estado.

O recado vai direito a Pedro Passos Coelho que tem acusado António Costa de não estar disponível para acordos com o PSD, mas que ao mesmo tempo tem evitado fazer essas pontes. No Orçamento do Estado, por exemplo, Passos Coelho entendeu não caber à oposição fazer propostas de alteração, preferindo apresentar as suas propostas para o país fora da discussão do Orçamento.

Marcelo quer agora que o PSD, como maior partido na oposição, tente ver para lá da conjuntura em que a esquerda está unida e não fique à espera de uma rutura entre PS, BE e PCP para marcar terreno.

"Tudo dependerá de os parceiros sociais, tal como os partidos políticos, optarem por estratégias de curto ou de médio e longo prazo. Se preferirem pautar a sua conduta pelo conjunturalismo, vários deles esperando todos os dois meses eleições que não chegam, dificilmente olharão para o médio e longo prazo", avisou o Presidente.

"Pensemos todos um pouco menos no dia de amanhã ou depois de amanhã, pensemos todos um pouco mais no Portugal, já não digo de 2020, 2030, 2040 ou 2050, mas pelo menos de 2019, 2023, 2027, 2031, para nos atermos ao ritmo quadrienal das legislaturas, que é um bom ritmo em termos de estabilidade política", pediu Marcelo, que tem insistido por exemplo no valor da estabilidade fiscal - algo que poderia ser alcançado através de um acordo entre os dois partidos com mais possibilidades de formar governo, PSD e PS.

Marcelo frisou a ideia de que a conjuntura política pode mudar e isso só pode ser visto como um alerta para a oposição.

"Quem ontem se sentia mais confortável sente-se hoje com menos espaço de manobra, e o mesmo poderá sempre acontecer no futuro", apontou o Presidente.