“Há situações que têm de ser apuradas até ao limite”, diz Marta Soares

Luís Claro